Rohingya Massacre: the Origin of the Conflict

By Cristiana Marques
“The crimes in Rakhine State, and the manner in which they were perpetrated, are similar in nature, gravity and scope to those that have allowed genocidal intent to be established in other contexts” UN panel – Independent International Fact-Finding Mission on Myanmar.

The Muslim population in Burma constitutes at least four per cent of the country’s total population, with the largest concentration in northern Arakan. Among the various Muslim communities in Burma, we can point to several with a distinct ethnic and cultural substrate that can be divided into two groups: Muslim communities whose ancestors settled hundreds of years ago and Muslim communities that settled as a result of British colonial expansion between 1824 and 1948, brought to the State as cheap labour when Myanmar was still a British overseas province.

The majority of this Muslim population of the Rakine State, are defined as “Rohingya”, they have their own language (Rohingya) and they are considered indigenous in the region. This is unlike other groups of Muslims where the assumption is that their ancestors have lived in the State for centuries and tend to share similar customs to the Rakhine Buddhists, identifying themselves as “Arakenese Muslims” or “Burmese Muslims”.

With the independence of Myanmar and its Constitution of 1948, the Rohingya people were considered citizens and received rights that correspond with this status. However, their legal status did not last long and 26 years later, with the 1962 Military Coup, the Rohingians lost their status as citizens and were labelled as “foreign nationals”. With General Ne Win’s rise to power, reforms were marred by policies of extreme nationalism, Marxism and Buddhism. In 1964 the political party “The Burmese Way to Socialism” (CBPS) was formally declared as the only legal party.

With the new Constitution of 1974 and the adoption of the new Citizenship Act in 1982, the situation of the Rohyngia people deteriorated exponentially, ceasing to be recognised as citizens under the Constitution. As the Citizenship Act defined citizens as those “whose ancestors settled in the country before 1823” or who belong to one of the 135 “national races”, Rohyngian’s were discriminatorily denied citizenship due to the lack of documentation to prove such requirements.

Declared as Stateless, the Rohingya are denied basic human rights such as access to education or health care.

“Official policies appear to be aimed at reducing the presence of Muslims in the Rakhine State through a series of discriminatory policies.”

The policies of the State Peace and Development Council/State Council for Restoration (SPDC/SLORC) appear to be aimed at reducing the presence of Muslims in the Rakhine State through a series of discriminatory policies: lands are expropriated, usually without compensation, to be used for economic projects controlled by military interests or for the State project to construct “Buddhist model villages”; mosques and religious schools have been destroyed since the 1980s and reconstruction or maintenance prohibited; travel restrictions have been put in place since 2001, prohibiting travel within the country without a license, which is denied to Rohyngia, making them unable to travel to hospitals, schools, and even their jobs. By being considered non-citizens even their right to marry is obstructed, since they must obtain a variety of permits before receiving a “marriage permit” that can take years.

The wave of violence, rebellion and repression by the authorities, present in Burma’s history, as well as repressive and systematic measures against Muslims, have resulted in a flood of people fleeing to Bangladesh, where they live in official and unofficial camps. Since the 1990s the State of Myanmar has covered its borders with mines and Bangladesh claims that recently there have been more landmines deployed, which the Myanmar military denies. In a report based on interviews with fugitive Rohingya, the UK-based Equal Rights Trust accused the military not only of turning a blind eye to violence against the Rohingya but actively participating in “state-sponsored violence” against them.

After the arrest and capture of hundreds of Rohingya people in 2012, the UN Special Rapporteur for Human Rights in Burma, Tomas Quintana, who toured the country in October of the same year, cited evidence of “systematic torture” against detainees, while many other Rohingya prisoners died in detention.

The outbreak of anti-Muslim violence in 2012 coincided with the release of a Human Rights Watch report that accused the state of collusion in an ‘ethnic cleansing’ campaign against the Rohingya Muslims. Burma blamed the violence on a “contentious border issue with Bangladesh” and the fear of State occupation based on overpopulation of the Rohingya people.

With the most aggressive wave of violence that began in 2012 reaching catastrophic levels in 2017, aid agencies reported that more than 70,000 Rohingya had left Burma since late August of 2017.

“Survivors described family members of all ages, including children, being killed, with soldiers even opening fire on those trying to flee.”

Independent rights monitors reported that state security forces, along with armed citizens, were attacking villages, killing and wounding Rohingya and burning their homes across the state of Rakhine. Survivors described family members of all ages, including children, being killed, with soldiers even opening fire on those trying to flee. Protecting and assisting Rohingya civilians in the Rakhine state is also becoming more challenging as the government has denied access to UN aid agencies. Restrictions on field visits has led to the suspension of relief operations in the area. By the end of September 2017, satellite images have shown the near total destruction of 284 villages and nearly half a million Rohingyas had fled the country. The UN condemned the Burmese government for its policy of ethnic cleansing.

With the total population of Rohingya in Burma having been estimated at approximately 1.2 million, this meant that more than a third of the community were forced out of the country within a little over a month, whilst tens of thousands had also been displaced in the borders of Burma.

Rohingya Muslims are nowadays among the most persecuted minorities in the world and this massacre is still far from its end.

We leave here a brief testimony of a Rohingya Woman, currently a refugee in one of the biggest refugee camps in the world, in Bangladesh, who witnesses the cruelties of this massacre in first hand: https://www.theguardian.com/world/2018/aug/27/i-am-a-rohingya-refugee-we-will-become-like-animals-if-we-stay-in-these-camps

Cristiana studied law at the University of Coimbra in Portugal, with an internship in a law firm in Italy and a year abroad in Università di Giurisprudenza di Siena, in Italy, where she became interested in human rights. During her studies she collaborated on work for UNESCO and volunteered with an international organisation for refugees. Her biggest interests relate  to refugees, minorities issues, trafficking and political organisation.

O Massacre Rohingya: A Origem do Conflito

“Os crimes no estado de Rakhine e a forma como foram executados, são comparáveis em natureza, gravidade e objetivo a outros já qualificados como Genocídio em diferentes contextos” U.N – Independent International Fact-Finding Mission em Myanmar.

Quem são os Rohingya e qual a origem do conflito na Birmânia?

A população muçulmana na Birmânia representa quatro por cento da população total do país, localizando-se a maior concentração no norte de Arakan. De entre as várias comunidades Muçulmanas da Birmânia, é possível encontrar entre elas uma certa diversidade de etnias e substratos culturais, dividindo-as em dois grupos principais: As comunidades Muçulmanas cujos ancestrais estabeleceram-se há centenas de anos atrás, e aquelas que resultaram da expansão colonial Britânica entre 1824 e 1948, trazidas enquanto mão-de-obra barata para a até então província transatlântica Britânica de Myanmar.

A grande maioria da população Muçulmana do estado de Rakhine, definidos como “Rohingya”, estabeleceram a sua própria linguagem e são ainda hoje considerados indígenas da região. Contrariamente aos Rohingya, outros grupos de Muçulmanos que, assumindo-se como descendentes de ancestrais com práticas enraizadas no país há várias gerações, partilham os mesmos costumes dos Budistas de Rakhine, identificando-se assim como “Muçulmanos Arakenese” ou “Muçulmanos Birmanos”.

Com a independência de Myanmar e a sua Constituição em 1948, a população Rohingya passou a ter o estatuto de cidadãos, recebendo assim personalidade jurídica para serem sujeitos de direitos. Contudo, a estabilidade legal não durou por muito tempo e 26 anos mais tarde, com o Golpe Militar de 1962, os Rohingya perderam o seu estatuto de cidadãos passando a ser qualificados como “cidadãos estrangeiros”. Com a subida ao poder do general Ne Win foram sucessivamente estabelecidas reformas e políticas de carácter nacionalistas e, em 1964, o partido político “O caminho Birmano para o Socialismo” (CBPS) foi criado e formalmente declarado o único partido legal no país.

A Constituição de 1974 e a adoção do novo Ato de Cidadania em 1982 piorou exponencialmente a situação legal dos Rohingya. Com a entrada em vigor da nova legislação, deixaram totalmente de serem reconhecidos como cidadãos da Birmânia à luz da nova Constituição. De acordo com o Ato de Cidadania, seriam reconhecidos como tal todos aqueles “cujos ancestrais se estabeleceram no país antes de 1823”ou, por outro lado, todos aqueles que pertencessem a uma das 135 “raças nacionais”, o que resultou numa descriminação gritante do povo Rohingya e na negação do reconhecimento da sua cidadania devido à impossibilidade de preenchimento e de prova destes requisitos legais.

Declarados como apátridas, os Rohingya viram os seus direitos a serem-lhes vedados, direitos humanos básicos como o acesso à educação e a serviços de saúde.

As políticas de manutenção de paz no estado (SPDC/SLORC) pareciam motivadas para uma redução de Muçulmanos no estado de Rakhine através da implementação de uma série de políticas discriminatórias. Desde 1980, escolas religiosas e mesquitas foram sendo destruídas sem qualquer tipo de reconstrução ou medidas de manutenção permitidas; Terrenos eram expropriados dos seus proprietários, normalmente sem qualquer tipo de compensação em troca, tomados para projetos económicos de interesse militar ou para o projeto do estado de construção de “Vilas Budistas modelo”; Em 2001 foram implementadas restrições às viagens dentro do país, tornando ilegal qualquer viagem sem uma licença. Esta proibição decretou a vedação dos Rohingya a hospitais, escolas e até mesmo aos seus locais de trabalho, dado que uma vez apátridas, qualquer concessão de licenças ser-lhes-ia negada. Qualificados como “não-cidadãos” até mesmo o seu direito a constituir matrimónio lhes foi obstado, sendo-lhes imposto a obrigatoriedade de obtenção de um conjunto de permissões antes de terem acesso à “Autorização de Matrimónio” oficial, o que poderia levar anos.

A onda de violência, revolta e censura pelas autoridades que marcou tão intensamente a história da Birmânia, somada às constantes políticas opressivas antimuçulmanos, resultaram numa maré de pessoas a voar para o Bangladesh, onde viveriam em campos de refugiados oficias e não oficiais. Confrontados com esta situação, no início dos anos 90, o estado de Myanmar minou os terrenos da fronteira, tendo alegadamente tomado a mesma medida recentemente. Apesar das acusações do estado do Bangladesh, todas as alegações foram negadas pelos militares de Myanmar.

Recentemente, num relatório baseado em entrevistas a fugitivos Rohingya, a organização Britânica Equal Rights Trust acusou os militares não só de fecharem os olhos à violência contra os Rohingya, como também de terem participado ativamente na promoção da hostilidade contra a população. Depois de uma centena de Rohingya terem sido capturados e mantidos em detenção arbitrariamente em 2012, o observador das Nações Unidas de Direitos Humanos na Birmânia Tomas Quintana, que visitou o país em Outubro do mesmo ano, mencionou a evidência de “tortura sistemática” contra os detidos, enquanto muitos outros chegaram mesmo a não sobreviver à detenção.

O surto de hostilidade antimuçulmana em 2012 coincidiu com a divulgação de um relatório da Human Rights Watch que acusou o estado de conluio em uma campanha de 'limpeza étnica' contra os muçulmanos Rohingya, enquanto o estado da Birmânia culpou a violência como resultado de conflitos por questões fronteiriças com o Bangladesh "e o medo de um plano de ocupação do estado através da superpopulação pelo povo Rohingya”.

Com a onda mais agressiva de violência que começou em 2012 atingindo níveis catastróficos em 2017, agências de ajuda informaram que mais de 70.000 Rohingya haviam deixado a Birmânia desde que a última onda de violência começou no final de agosto de 2017.

Monitores independentes de direitos humanos relataram que as forças de segurança do Estado, juntamente com cidadãos armados, atacaram aldeias em todo o estado de Rakhine, ateando fogo a casas de várias aldeias e assassinando os Rohingya que lá habitavam. Sobreviventes descreveram a chacina de membros da família de todas as idades – incluindo crianças – e ao abrir fogo por parte dos soldados face aos que tentavam fugir.

Proteger e ajudar os civis Rohingya no estado de Rakhine é cada vez mais um desafio. Com o governo a negar o acesso das agências de ajuda da ONU às localidades e com o estabelecimento de restrições às visitas de campo, as operações de assistência na área tiveram de ser inevitavelmente suspensas por falta de capacidade de acesso.

No final de setembro de 2017, imagens de satélite mostraram a quase total destruição de 284 aldeias e quase meio milhão de Rohingya tinham já fugido do país, condenando assim o governo Birmano pela política de limpeza étnica.

Com a população total de Rohingya na Birmânia estimada em aproximadamente 1,2 milhão, conclui-se que mais de um terço da comunidade tenha sido despejada do país em pouco mais de um mês, enquanto dezenas de milhares de pessoas também foram deslocadas no país.

Hoje, os muçulmanos Rohingya estão entre as minorias mais perseguidas do mundo e, infelizmente, este massacre ainda está longe do fim.

Relatado por quem viveu as crueldades deste massacre na pele, deixamos aqui um breve testemunho de uma mulher Rohingya, hoje uma refugiada de um dos maiores campos de refugiados de todo o mundo, no Bangladesh: https://www.theguardian.com/world/2018/aug/27/i-am-a-rohingya-refugee-we-will-become-like-animals-if-we-stay-in-these-camps